[Página Principal]  [Página As Vidas]

MONTEIRO LOBATO

Escritor: 1882 - 1948

Fanny Abramovich

 

Monteiro Lobato, retrato

SÍTIO DO PICAPAU AMARELO: O REFÚGIO SONHADO POR TODAS AS CRIANÇAS

QUANDO TUDO ACONTECEU...

O maior escritor infantil brasileiro de todos os tempos, José Bento Monteiro Lobato, nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté (SP). Cresceu numa fazenda, se formou em direito sem nenhum entusiasmo, já que sempre quis ser pintor! Desenhava bem! Quando estudante, participou do grupo "O Cenáculo" e entre risadas e leituras insaciáveis, escreveu crônicas e artigos irreverentes. - Em 1907 foi para Areias como promotor público, casou com Maria Pureza com quem teve três filhos. Entediado com a vida numa cidade pequena, escreveu prefácios, fez traduções, mudou para a fazenda Buquira, tentou modernizar a lavoura arcaica, criou o polêmico "Jeca Tatu", fez uma imensa e acalentada pesquisa sobre o SACI publicada no Jornal O Estado de São Paulo. - Em 1918 lançou, com sucesso, seu primeiro livro de contos URUPÊS. Fundou a Editora Monteiro Lobato & Cia, melhorando a qualidade gráfica vigente, lançando autores inéditos e chegando à falência. - Em 1920 lançou A MENINA DO NARIZ ARREBITADO, com desenhos e capa de Voltolino, conseguindo sua adoção em escolas e uma edição recorde de 50.000 exemplares. - Fundou a Cia Editora Nacional no Rio de Janeiro. Convidado pra ser adido comercial em New York ficou lá por 4 anos (de 1927 a 1931) fascinado por Henry Ford, pela metalurgia e petróleo. Perdeu todo seu dinheiro no crash da bolsa. - Voltou para o Brasil, se jogou na Campanha do Petróleo, fazendo conferências, enviando cartas, conscientizando o país inteiro da importância do óleo. Percebeu, então, o quanto era conhecido e popular. Foi preso! Alternou entusiasmo e depressão com o Brasil. - Participou da Editora Brasiliense, morou em Buenos Aires, foi simpatizante comunista, escreveu para crianças ininterruptamente e com sucesso estrondoso, traduziu muito e teve suas obras traduzidas. - Morreu em 4 de julho de 1948 dum acidente vascular. - Suas obras completas são constituídas por 17 volumes dirigidos às crianças e 17 para adultos englobando contos, ensaios, artigos e correspondência.


DESCOBERTA DA GOSTOSURA

Ilustração na obra de Monteiro Lobato: "Narizinho", por Voltolino

 

 

 

 

 

Ilustração na obra de Monteiro Lobato: "Narizinho e o Visconde de Sabugosa", por André Le Blanc

 

Querida Leninha,

Aconteceu nesta semana uma novidade tão boa, que tinha que te contar depressinha! Lá na biblioteca da Escola peguei um livro chamado REINAÇÕES DE NARIZINHO do Monteiro Lobato. Comecei a folhear meio de nariz torto, porque era muito grosso, parecia que não ia acabar nunca e que ia ser uma baita duma chateação.

Li o comecinho e o que vinha depois e mais depois e quando percebi, já tinha dado o sinal pra voltar pra sala e eu sem conseguir tirar os olhos daquela delícia deliciante. Suspirei, pedi emprestado e levei pra casa. Não fiz mais nada o dia inteiro. Nem de noite. Nem na manhã seguinte e na outra e outra. Não consegui nem piscar antes de acabar.

Tem umas lindezas de arrepiar como quando a Narizinho casa com o Príncipe Escamado e a Dona Aranha faz um vestido tão lindo pra ela, feito só de cores, que até o espelho arregalou os olhos de espanto e rachou em seis partes. Quando for grande, vou ter um assim. Se não, morro. Quando eles passeiam pelo Reino das Águas Claras, dá vontade de ir junto e ficar rodopiando na boniteza...

Quando a Emília, a boneca de macela, toma a pílula falante e desembesta numa falação sem tamanho, é de morrer de rir. E logo logo, sem a gente perceber direito, ela vira gente. Apronta, inventa, encara. Demais!

O livro todo é uma surpresa. Você pensa que vai acontecer uma coisa e... acontece outra! Muito mais divertida e mais maravilhenta do que a minha cabeça poderia inventar. É só gostosura!

Tudo acontece no Sítio do Picapau Amarelo onde só moram crianças e avós, o Marquês de Rabicó, que é um porquinho que come tudo que vê pela frente, a espevitada Emília e um sabugo de milho que é um sábio de cartola e que sabe tudo sobre todas as coisas: o Visconde de Sabugosa. Quando eu mandar na minha vida, vou me mudar pro Sítio do Picapau Amarelo e viver também no bem bom. No mundo inteiro, não tem lugar como aquele... " O Sítio é gostoso como um chinelo velho."

Nem posso acreditar que já tenho mais de 8 anos e só agora é que li um livro do Monteiro Lobato. Perdi o maior tempo desta minha vida . Se ainda não leu nada dele, corra pra conseguir um livro e ficar abraçada de alegria.

Beijos da

               Alice

 

SABOR DE ENCANTAMENTO

Ilustração na obra de Monteiro Lobato: Tia Anastácia, por Rodolpho

 

 

 

 

 

 

 

Ilustração na obra de Monteiro Lobato: "Dona Benta e os netos Narizinho e Pedrinho", por Kurt Wiesel

 

 

 

 

Querida Leninha,

Hoje foi um dia glorioso pra mim! Formatura da 4ª série e ganhei de presente o que mais queria na vida. A coleção completa dos livros infantis do Monteiro Lobato. 17 volumes que dão vontade de lamber e acariciar de mansinho. Verdade que já li todos! Agora, vou poder reler, treler quantas vezes quiser. São meus!!! Pra pegar quando tiver vontade. E sempre tenho...

Vou começar pelos que mais gosto. Foi tão bom ir com todo o pessoal do Sítio passear na Via Láctea, ver o São Jorge lutando contra o dragão, encontrar o anjinho da asa quebrada, "a maior das galantezas ", voltar e comer os bolinhos da Tia Nastácia. Embarquei junto na VIAGEM AO CÉU! Só queria mesmo era ter o meu próprio pó de pirlimpimpim pra poder viajar pra onde bem entendesse, na hora que me desse uma vontadona insegurável...

Fico com uma baita inveja da Emília que fez sozinha A REFORMA DA NATUREZA. Maior atrevimento da criaturinha. Inventou, misturou, experimentou. Ela não tem medos, encara todas, faz e desfaz e sai toda contentinha da vida pra ver no que deu a sua aprontação. Se leva bronca, se faz de desentendida, arregala os olhos de retrós e diz uma asneira de deixar todo mundo mudo. Dava tudo pra ter um pouquinho da coragem dela...Será que vou ter um dia???

Outro livro que vou reler logo, logo é A CHAVE DO TAMANHO e ver todos ficarem pequeníssimos e terem que se virar com seus novos tamanhos e falta de força. Ter que ter idéias novas o tempo todo. Danadinho, o Lobato. Cutuca a gente sempre e faz ficar pensando, pensando...

O PICAPAU AMARELO, adoro adorado. Aquela cartinha do Pequeno Polegar pedindo pra morar no Sítio, a chegada de todos os heróis de todas as histórias maravilhosas, da Cinderela, da Branca de Neve, do Peter Pan e do Capitão Gancho, da Alice do País das Maravilhas, do Aladim, daqueles monstros gregos, a calma da Vovó Benta recebendo todos, as aventuras, os sustos, as lutas, os espantos, as fofocas, tudo é arrepiantemente deslumbrante!!! Amo, amo, amo!

Passou um tempão desde que li o meu primeiro livro do Monteiro Lobato. Cresci, troquei de escola, mudei de casa e de brinquedos, mas uma vontade continua firmona. Quero ir morar no Sítio do Picapau Amarelo!

Beijocas contentíssimas com o presentão que eu bem que merecia... da

          Alice

 

AMPLITUDE E BELEZURA

Ilustração na obra de Monteiro Lobato: "Dona Benta e Tia Anastácia", por Belmonte

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Monteiro Lobato

 

 

 

Leninha querida,

Incrível, a gente se escrever por tantos anos...Trocar importâncias acontecidas e descobertas coceirentas. Hoje, me formei no Magistério. Sou professora diplomada... Só quero ver como é que me saio numa sala de aulas cheiinha de crianças sem a maravilhança da Narizinho e do Pedrinho...Só quero ter a paciência e a sapiência da Dona Benta e a criatividade da Tia Nastácia. Espero que elas me mostrem os caminhos!

Meu trabalho final no curso foi sobre o Monteiro Lobato. Sorte grande! Reli os amados e empoeirados livros da minha meninice e continuei de boca aberta. Ri, sorri, me espantei...

O que mais me impressionou agora é como ele não separa a realidade da fantasia. Não tem fronteiras. Sai dum, entra no outro, num pulo só. Delícia pura! Estudei milhares de artigos sobre o jogo da criança. Ele, aposto que nem precisou. Caiu de boca e entrou no jogo. As crianças e bichos vivem no divertimento descobertante, na alegria de sair pelos aís e depois...calmamente todos voltam pro Sítio, com um berro chamante da Dona Benta pra comer bolinhos.

E os bichos falantes e atuantes: a pacata Vaca Mocha, o forçudo rinoceronte Quindim, o competente Dr. Caramujo, o comilão Marquês de Rabicó, as sacadas do Burro Falante, o filósofo conselheiro, todos agindo como gentes, convivendo como se fossem da família, palpitando e brincadeirando com e como todos. Na boa! De bater palmas e pedir bis!!!

E a delícia que é o jeito que escreve. É um abraço, um sorriso, te pega pela palavra direto. Nunca é uma baboseira, um jeito debilóide de falar com as crianças, uma pieguice de novela mexicana. Nem pensar. Reparei que usa palavras difíceis, sabendo que a criança vai se informar e entender direitíssimamente. E como inventa palavras lindas! Vou copiar pra você um pedacinho do REINAÇÕES : "E canários cantando, e beijaflores beijando flores e camarões camaronando, e caranguejos caranguejando, tudo que é pequenino e não morde, pequeninando e não mordendo." Ninguém nunca escreveu como ele para crianças...Nunquinha.

Li muitos livros dele para adultos: um ou outro já conhecia, outros nem tinha chegado perto. Não são derrapantes, nem de tirar o fôlego... Gostei dum ou outro conto, fiquei cutucada por algumas cartas, me perguntei sobre alguma coisa escrita em artigos, mas não foi nenhuma fissuração . Foi meio igual a um montão de outros escritores. Não foi descobrir um mundo novo como ele faz comigo e com todas as crianças para quem escreveu. Aí, ninguém chega nem perto. É o maior, o melhor!!! Único!

Quase esquecia ... Agora, o meu livro predileto é MEMÓRIAS DA EMÍLIA. Acho que vou ter sempre do meu lado pela vida afora... A Emília é quem eu queria ser! Babo por ela!

Beijão da "professora"

          Alice

 

CABEÇAS CRÍTICAS E BRASILIDADE

Monteiro Lobato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capa de "O Escândalo do Petróleo" de Monteiro Lobato

 

 

 

 

Leninha querida,

Tempo passando depressa, rodopiante. Estou com 25 anos e agora, trabalhando com alunos da 4ª série. Mudo o jeito de dar aulas, mudo a falação e as cobranças, só não mudo a leitura permanente do Monteiro Lobato. Indispensável!

Quando dava aulas pras criancinhas do pré, contava histórias do Sítio. Aos capítulos e vendo os olhinhos arregalados pedindo mais e mais... Agora, com os grandes, trabalho muito com a mitologia grega. E quem melhor do que o Lobato pra iniciar nos mistérios do Olimpo?? Sei que tudo que aprendi sobre a Grécia de antigamente foi devorando O MINOTAURO e OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES. Meus alunos estão envolvidos na mesma sedução. Torcendo, vibrando, aprendendo sem jeito de lição engolida, amando!

Tentei trabalhar com os livros didáticos dele. Ainda são muito, mas muito melhores dos que os que fazem hoje em dia. Pena, que os conceitos estão superados... Não dá pra usar mais A GRAMÁTICA e A ARITMÉTICA DA EMÍLIA ou a GEOGRAFIA DA DONA BENTA. Mas dá pra pensar na inventação duma aula mais interessante, mais divertida, menos aborrecida e chatosa. Conseguir ser uma surpresa é o segredo!

Não largo nunca de ler uma das FÁBULAS. Nada melhor pra fazer os alunos criticarem, desmitificarem, tirarem suas próprias conclusões. E rindo do deboche, da misturança da graça com a clareza. O rei da dose certa este seu Lobato...

O que sempre me impressionou é como o Lobato escreve bem. E sem gramaticices, sem ficar preso a uma lei tonta e limitativa. Outro dia achei uma carta dele contando: "Não imagina a minha luta pra extirpar a "literatura "dos meus livros infantis. A cada revisão nova das novas edições, mato, como quem mata pulgas, todas as "literaturas " que ainda os estragam." Quero que meus alunos escrevam assim: soltos, divertidos, inventadeiros, assassinando as literatices.

O que mais me impressiona agora em Monteiro Lobato é a sua brasilidade. Nenhum autor que passou pela minha vida, me trouxe tanto do Brasil sem me deixar fora do mundo. Ficar lagarteando ao sol, comendo jabuticabas, subindo em árvores, debochando das macaquices imitativas das estrangeirices, saboreando o nosso folclore nas HISTÓRIAS DA TIA NASTÁCIA e no SACI, mostrando a nossa riqueza em O POÇO DO VISCONDE, cutucando prum patriotismo consciente e participante e não apalermado e paradão.

Acho que ele diz isso claramente como sempre pela boca da Emília: "Dizem que não tenho coração. É falso. Tenho sim, um lindo. Só que não é de banana. Coisinhas à toa não o impressionam; mas ele dói quando vê uma injustiça. Dói tanto, que estou convencida que o maior mal deste mundo é a injustiça."

Vou ser sempre grata a ele pela minha brasilidade gritona quando me vejo de cara com uma baita duma injustiça. O que sempre aconteceu e continua acontecendo neste nosso país...

Pensar que foi preso por sua participação visceral na Campanha do Petróleo. Preso por patriotismo... Se este é o preço, também pagarei. Aprendi com ele a não fugir das convicções, a entrar com tudo em todas as lutas fundamentais. A ir fundo.

Beijos brasileiríssimos da

          Alice

 

SINGULARIDADE E PERMANÊNCIA

 

 

Monteiro Lobato é preso por patrotismo... Entretanto, o que está a acontecer no resto do mundo? Consulta a Tábua Cronológica.

 

 

 

 

 

 

 

Purezinha, futura esposa de Monteiro Lobato

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Monteiro Lobato

 

Leninha, amiga querida,

Passam-se os anos e continuo querendo falar com você sobre Monteiro Lobato. Já passei dos 40 e outro dia resolvi reler o Lobato inteirinho. O Lobato das crianças, claro. Os 17 volumes que guardo e exibo como meu maior tesouro.

O meu olhar já não é mais tão inocente e entregue à pura deslumbrância. Percebi detalhes que nunca tinha reparado direito. Incrível, o que ele sacava. No Sítio, só moram duas crianças espertas, curiosas, iguais a milhares de outras. Narizinho é orfã e Pedrinho tem uma vaga mãe que aparece no comecinho da primeira história e nunca mais se ouve falar dela. Nada de pai ou de mãe...Elas são criadas pelas avós, lúdicas, brincantes e nada repressoras. Fantástico!

Também, ele desliza feio. Dona Benta, é culta, sábia, prudente, arrumada, branca. Tia Nastácia, é medrosa, supersticiosa, feia, "negra beiçuda ". Incrível como escapole o racismo, o tempo todo. Dá até calafrios. E olhe que naquele Sítio maravilhento, a única pessoa que trabalha é a Nastácia. E também é a mais criativa, já que foi ela quem fez a Emília e o Visconde.

Falando no Visconde de Sabugosa, dá pra perceber que é o personagem menos querido do Lobato. Ele é metido, pedante, complicado, incapaz de lidar com o concreto, covarde. Um acadêmico! Já Emília, que não é criança, é uma boneca - marquesa irreverente e sem papas na língua, absolutamente independente e dona do seu nariz, é a primeira personagem feminista da nossa literatura.

Vanguardíssima! Linha de frente na emancipação da mulher. A relação de amor e ódio entre os dois é escancarada e deliciosa!

O Sítio do Picapau Amarelo, onde eu sempre quis morar, incomodou muito mais do que a gente imagina. Li outro dia um artigo contando que em 1942, A HISTÓRIA DO MUNDO PARA CRIANÇAS foi retirada das bibliotecas públicas e de todas as escolas católicas. Acenderam fogueiras pra queimar todas as páginas do Lobato. Puro vandalismo. E pra nada. Ele sobrevive até hoje. E provavelmente, às gargalhadas.

Hoje, nas escolas, não armam mais fogueiras. Mas também não lêem o Lobato como deveriam... Encostaram, esconderam... As crianças o conhecem pouco e estão perdendo tanto... Culpa das mães e professoras preguiçosas com um texto mais longo, medrosas das cutucadas que ele dá, das esculhambações afiadas que passa e querendo tudo, menos crianças soltas e críticas como Pedrinho e Narizinho.

Este Sítio, uma possibilidade utópica de civilização harmônica, inteligente, atuante, onde todos querem se refugiar, é como diz a Emília : " O segredo, meu filho, é um só: liberdade. Aqui não há coleiras. A maior desgraça do mundo é a coleira. E como há coleiras espalhadas no mundo."

Monteiro Lobato, movido pela indignação, antenado com o futuro, intuidor da capacidade das crianças e sabedor das suas inteligências espertas, deu para esta criança-leitora que escolheu como seu público com quem realmente valia a pena falar, o que tinha de melhor: sua graça irreverente, suas histórias emocionantes, seu conhecimento cutucador, seus personagens imprevisíveis, sua misturança fantástica do real com o imaginário, sua crença na liberdade.

Sei que ele inaugurou a literatura infantil brasileira. E sei também que substituto ainda não encontrou. Só tem seguidores ávidos para conseguirem chegar onde chegou. Como a presença mais indispensável na admiração, carinho, derretimento, aplausos de todo leitor-criança (tenha a idade que tiver, como eu...).

Ah, o meu livro preferidíssimo continua sendo MEMÓRIAS DA EMÍLIA. E minha ambição de pessoa é conseguir ser "a independência ou morte" como Emília se define. Ainda chego lá!

Beijos da eterna leitora do Lobato,

          Alice

________________________

(*) - Fanny Abramovich é escritora de livros para crianças e só gostaria de proporcionar aos seus leitores 10% do prazer que Lobato sempre lhe deu.

_____________________________

Vidas Lusófonas informa que a autora já tem mais de um milhão de exemplares vendidos.

 

[Página Principal]  [Página As Vidas]